Implante hormonal

Saúde

O que aparentemente parece ser um passe de mágica (ficar livre da TPM e da cólica, perder peso, definir músculos, amenizar a celulite e dar um up na libido), na verdade é um implante hormonal que só pode ser colocado após o médico avaliar os níveis hormonais da paciente.

tv catia fonseca implante hormonal Apelidado de chip da beleza, o implante hormonal são colocados absorvíveis que não precisam do tubete de silicone, que originalmente foi desenvolvido para evitar a gravidez. O implante hormonal auxilia na perda de peso por melhorar a composição corporal; o fato de ajudar com a TPM pode auxiliar nesse processo, mas não é o determinante.

VEJA TAMBÉM:
Influência do esporte no assoalho pélvico por Thais Fonseca

 

Também eleva o nível de testosterona no organismo e, consequentemente facilita o ganho de massa magra. “Ele pode medir de três a cinco centímetros, já que a quantidade de hormônio é individualizada, é colocado com anestesia local na região dos glúteos e, seu efeito dura de seis meses a um ano”, explica a nutróloga Nathalia Duarte, do Instituto Lerner. Mas não pense que ele irá proporcionar uma silhueta sequinha rapidamente.

A parte estética deve ser vista como um bônus mesmo porque a função principal do implante é a contracepção. Por isso, é essencial manter uma alimentação equilibrada e praticar atividade física frequentemente. “Costumo dizer que ele acaba ajudando a perder peso porque alivia alguns sintomas da TPM como a retenção de líquidos e o desejo incontrolável por doces”, complementa Nathalia. Também é importante ressaltar que, como todo tratamento médico, ele deve ser indicado e acompanhado por profissionais. tv catia fonseca implante hormonal

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, por exemplo, defende que o uso de qualquer tipo de hormônio só deve ser feito quando há a deficiência dele, porque em excesso pode levar ao aumento de pelos no corpo, queda de cabelo e, se forem doses muito altas, até infarto ou algum problema vascular. “Justamente por isso os médicos solicitam exames, avaliam o índice de massa corporal e a frequência de atividade física para saber a quantidade exata dos hormônios que devem ser colocados no implante. Também precisamos deixar bem claro que, cada pessoa tem uma reação específica a qualquer tipo de medicação, ou seja, nem todas as mulheres sentem algum efeito colateral”, finaliza.