Temporada de Sob Pressão termina com o hospital em estado grave

Carolina (Marjorie Estiano) e Evandro (Julio Andrade) em cena de Sob Pressão (Foto: Globo/João Miguel Júnior)
Carolina (Marjorie Estiano) e Evandro (Julio Andrade) em cena de Sob Pressão
(Foto: Globo/João Miguel Júnior)

O Macedão parece ter sido modernizado, mas o que ninguém imagina é que, na verdade, ele está em ruínas. No último episódio da segunda temporada de Sob Pressão, previsto para ser exibido na terça, dia 18, a chegada de dois pacientes mostra a ambiguidade na gestão de Renata (Fernanda Torres). Enquanto há equipamentos caros e máquinas de última geração, faltam materiais básicos essenciais para salvar vidas. E as consequências disso são trágicas para os médicos, pacientes, para Renata e também para o hospital público de Cascadura.

Enquanto a equipe de médicos enfrenta as condições precárias de trabalho em decorrência da corrupção, Carolina se depara com Ana (Nina Morena) pelos corredores do hospital. A filha de Samuel (Stepan Nercessian) foi ao Macedão em busca dos pertences do pai, mas revela o sumiço de alguns objetos, como o celular e o computador do médico. No leito próximo dali, Evandro (Julio Andrade), que tenta continuar a luta contra o uso de medicamentos, atende Fred (Vitor Thiré), um rapaz extremamente embriagado. A situação com o paciente faz com que o médico reavalie a possibilidade de procurar um grupo de ajuda para o seu vício.

Sob Pressão está em alta na Globo. (Foto: Divulgação)
Cena da série da Globo. (Foto: Divulgação)

Ainda com a falsa sensação de que mudanças positivas têm acontecido por ali, o neurocirurgião Rafael (Tatsu Carvalho) se impressiona com uma máquina de tomografia com contraste durante o atendimento a Tigre (Jackson Antunes), um lutador de boxe que participa de lutas clandestinas. Em contrapartida, na sala de cirurgia, a falta de um fio faz Henrique (Humberto Carrão) e Carolina (Marjorie Estiano) amputarem a perna de Leandro (Guilherme Gonzalez), um paciente lesionado após a queda de uma retroescavadeira no membro. Visivelmente abalado com o procedimento cirúrgico, Henrique começa a perceber o quanto o esquema de Renata é prejudicial à vida dos pacientes e enfrenta a gestora do hospital ao ser questionado sobre a cirurgia e a atitude tomada para salvar a vida do homem: “Louco eu tava quando entrei no seu esquema”. Renata entende que a situação está cada vez menos sob controle e faz novas ameaças ao emprego de Carolina. Mas a atitude não impede Henrique de revelar o que sabe aos colegas, que levam o caso à polícia, o que culmina em uma investigação no Macedão. Porém, a queda da diretora ainda parece estar longe de acontecer e não é ela quem recebe voz de prisão.

Enquanto Renata, na companhia de Roberto (Marcelo Serrado), destrói documentos que a incriminam, Carolina inicia uma intensa busca por provas que coloquem na cadeia a verdadeira criminosa do hospital. Em meio ao caos que se instaurou na emergência e à falta de equipamentos que aumentou após a denúncia de corrupção, os médicos que restam na equipe precisam ainda se virar com o que têm para atender aos vários feridos que chegam ao pronto atendimento após a colisão de um caminhão numa passarela. Sem estrutura e equipe, resta aos médicos que continuam ali aceitarem uma doação da esposa de um paciente em estado grave para seguirem trabalhando. A existência do hospital fica por um fio, e toda maldade de Renata está prestes a vir à tona.