Chefão do humor na Globo, Marcius Melhem contraria humoristas e defende o ‘politicamente correto’

Marcius Melhem. (Foto: Reprodução)
Marcius Melhem. (Foto: Reprodução)

Chefão do humor na Globo, Marcius Melhem contraria humoristas como Danilo Gentili e Carlos Alberto de Nóbrega, que detonam o “politicamente correto”, e inclusive defende essa forma de manifestação que não ofende as minorias.

“Eu acho que o que chamam de politicamente correto é um avanço da sociedade. Não podemos oprimir o oprimido, ajudar a perpetuar machismo, racismo, misoginia. A gente vive em um país difícil para muitos grupos, e acho que a função do humor é ajudar a melhorar a vida dessas pessoas, não piorar.

Então, temos que ser vigilantes mesmo. Tem risadas que não me interessam e, por isso, eu prefiro buscar outro caminho. De alguma forma, temos que contribuir para dar visibilidade a essas causas e fazer com que pessoas que são esquecidas todo dia sejam lembradas pela gente”, opinou o bonitão em entrevista ao Extra.

Marcelo Adnet e Marcius Melhem no Tá no Ar (Foto: Divulgação)
Marcelo Adnet e Marcius Melhem no Tá no Ar (Foto: Divulgação)

Para quem não sabe, hoje em dia todos os novos projetos de humor da emissora precisam passar por seu crivo. Ele também comentou na entrevista sobre o motivo do fim do programa Tá no Ar, já que é um sucesso.

 

Marcius Melhem (Foto: Globo/Ramón Vasconcelos)
Marcius Melhem no Altas Horas.
(Foto: Globo/Ramón Vasconcelos)

“Porque chega uma hora que tem que acabar. O programa surgiu como uma novidade grande, depois se manteve e se mantém com frescor, acompanhando as loucuras deste país. Poderíamos fazer o “Tá no ar” por mais uns dez anos, mas somos inquietos e queremos fazer outros projetos. Se não tiramos do ar uma coisa que está resolvida, a máquina da criatividade não começa a girar”, declarou.